A garota que queria um amor

Alexa pensava consigo mesma: “Será que um dia encontrarei alguém que me ame do mesmo jeito que eu pretendo amá-lo?” Seu desespero já se tornava evidente, chegou um dia a sair correndo pela casa chorando aos prantos e procurando algo que a acalmasse, sem muito sucesso. Desde então, contou aos pais o que estava passando e estes concordaram que ela poderia procurar um psicólogo, alguém que ela há tanto pedia a eles.

Não que seus pais não conversassem com ela, nem procurassem se importar ou entender, mas era porque a situação assim exigia. Foi aí que ela conheceu alguém que viria a se tornar sua confidente temporária, alguém que a ajudasse a enfrentar seus próprios medos e ansiedades.

A psicóloga Gabriela Alves aceitou cuidar do seu caso. Já havia lidado com várias situações parecidas, mas reconhecia que havia algo de especial naquela garota de 18 anos cujos olhos e cabelos castanhos gracejavam uma beleza perdida dentro das incertezas e anseios de alguém que queria apenas amar.

Alexa Silves representa uma pequena parcela das garotas que tentaram silenciar seus medos sem ajuda, mas que nem por isso desistiram de viver seus sonhos. Para isso, ela precisava de coragem, e um pequeno empurrão. Para a doutora Gabriela, ver Alexa aprender a dar seus próprios passos, a despeito de seus erros e tropeços, seria um motivo de comemorar vitória, ainda que ela fosse enfrentar inúmeras desilusões, e ela enfrentaria mesmo.

__________________________________________________________

Texto publicado sob o pseudônimo de Ricardo Neruda em 15 de setembro de 2016 – da série de textos Fatos de Alexa e Tiago.

adults affection embrace feelings

3 respostas »

  1. Me identifiquei com essa Alexa. Apesar do nome ser o mesmo, também me sinto perdida. Não converso com meus pais pois tenho a certeza de que eles não me entenderiam. Mês passado procurei um psicólogo num hospital público, não consegui, mas continuarei tentando encontrar um, pois sinto que preciso. Eu não me entendo, não sinto direito, e seria uma boa uma ajuda médica. Até porque quero me especializar em Psicologia algum dia. Obrigada por esse texto, foi um consolo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta para Alexya Inválida Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: