Os laços de amizade através do tempo

Ao longo de seus anos, Alexa percebeu que poderia se caracterizar como uma pessoa diferente a cada idade.

A Alexa de 15 anos, por exemplo, gostava de todos os galãs teen que existiam, não gostava muito de ler, adorava assistir séries e até alguns animes. Parava de prestar atenção em algumas aulas para rabiscar desenhos ou escrever poemas no caderno, e sabia que isso talvez tenha custado à Alexa de 17 anos o fato de ainda estar indecisa se fazia um cursinho para passar em Medicina ou se continuava fazendo Enfermagem.

A Alexa de 17 era imatura para relacionamentos e sempre se apaixonava por amores platônicos, não conseguia enxergar o seu verdadeiro valor e muito menos a luz no fim do túnel. Essa era a Alexa que aos 18 anos estaria acompanhando uma psicóloga para lidar sobre seus amores e sentimentos não resolvidos.

A Alexa de 19 anos era a garota que criou coragem de se permitir amar e que aprendeu um pouco sobre o que seria amor, mas ela ainda não sabia balancear a diferença entre amor e paixão, o que sinceramente lhe dava um pouco de raiva por se achar menina demais nessa idade. Entretanto, as escolhas dessa Alexa mudaram completamente a forma como as Alexas de 20 anos para cima veriam o mundo.

Aos 23 anos, Alexa se sentia um pouco como Tiago, lembrava dos beijos de ciclano, da mente de beltrano, do físico e psicológico de fulano. E mais uma vez estava insegura sobre o que fazer de sua vida.

A esta altura, não havia mais a sua amiga psicóloga para lhe ajudar, mas havia seu amigo Tiago, para que ambos passassem horas e horas conversando sobre as escolhas que cada Alexa e cada Tiago tinham feito e sobre o que eles haveriam de fazer sobre o futuro deles, afinal, ainda eram os protagonistas de suas histórias, ainda que fossem coadjuvantes um do outro.

Eles estavam afastados há um tempo, mas sabiam que uma amizade verdadeira prevalecia pelo tempo e pela distância. Era uma amizade que não precisava de grandes conceitos ou palavras difíceis, tão somente era um encontro entre duas pessoas que falavam sobre a vida quase que filosoficamente e se despediam de cada encontro com o espírito leve. Era a amizade que representava uma boa parte das demais, fosse amizade entre mulheres, entre homens ou homens e mulheres.

Sabiam que poderiam sempre contar um com o outro, bastava chamar.

______________________________________________

Texto publicado sob o pseudônimo de Ricardo Neruda em 21 de setembro de 2016 – da série de textos Fatos de Alexa e Tiago.

silhouette photography of group of people jumping during golden time

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: