Purpurina rosa

Purpurina púrpura e rosa, mais rosa do que púrpura

Era rosa como teu interior, tua intimidade,

Mas tão brilhante quanto tua mentalidade,

Tão graciosa quanto tua arte,

Deixava seus traços por onde passava para meu espanto,

Um brilho cujo resquício nos cantos ainda perdura

 

Já se passou mais de um mês,

Mas ainda encontro esporos

Brilhantes e rosados,

Até quem sabe ousados

Pois se atrevem a me dizer

Quando o amor surge não vês

Dele não és digno

 

Antes tivesse apenas deixado teu brilho sobre o chão,

Sobre as paredes, mas ousastes dançar e o espalhastes,

Antes tivesse deixado apenas sobre o salão, mas não no coração,

Não ali onde palpita a incerteza, onde flui a emoção,

Onde persiste uma tristeza, onde agora jaz um pedaço vão

Pedaço que levaste com tua partida

 

Pela tua partida sem despedida,

É injusto como ainda persistem lembranças

De um brilho sem igual, carisma natural,

Ousadia marcante, conversas triviais,

Discussões intrigantes, abraços saudosos,

Companhia que alegrava a solidão

 

Enquanto lia, tentei virar a quinta página,

Mas tudo o que eu encontrei

Não eram senão resquícios do teu brilho, do teu carisma,

Eram restos de palavras da página anterior, daquela noite,

Mostrando-me que virar a página não apaga

O brilho que há nas histórias anteriores

Por isso, larguei o livro

 

Temi por ver teu brilho,

Achei-te egoísta por refletir a luz

Purpurina púrpura e rosa,

Tua paixão o amor reluz

 

Quisera eu não ser tão egoísta,

Tão fechado a sete chaves,

Tão cego e machucado,

Que não pude enxergar teu real brilho

 

E agora aqui vejo, apenas uma fagulha,

Brilha rosa, apenas um pequeno ponto de purpurina,

Um resquício externo, um lamento perene,

Uma dor e uma saudade,

Um tímido brilho que não pode se apagar,

Pois emoções marcam e brilham

 

Vi purpurina, mas não vi a estrela,

Maldição não entender teu coração,

Era purpurina por onde passavas

Mas era uma estrela onde ficavas

Que pena que não ficastes

 

Agora já não te vejo mais,

Nem o brilho, nem teu resquício,

Apenas breves lembranças

De algo que ainda nem entendo bem

Mas que hoje senti falta

Quando reluziu na cama

Num breve lampejo

A púrpura e pura

Purpurina rosa

 

amazing astronomy background bright

Categorias:Poesias

Marcado como:, , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: