Até a pessoa mais racional tem problemas

Enquanto o Tiago contava a história de sua vida na faculdade, o Tiago de 2010 começava a entender que a melhor coisa que devia fazer era começar a aprender com suas derrotas e entender exatamente o que o fazia falhar. Ele foi tão a fundo na sua autoanálise que percebeu o real motivo de ser arrogante.

– Eu queria ser aceito – falou o Tiago do Sushi Bar para Isabella.

– Aceito?

– Sim, eu achava que estava sozinho no mundo, que eu não tinha ninguém que gostasse de mim. Passava horas na internet jogando alguma coisa e tentando ganhar amigos, mas a verdade é que eu só estava fugindo da realidade de enfrentar meus próprios problemas.

– Querer ser aceito é normal, todos nós procuramos nos integrar a algum grupo – comentou Isabella.

– Exatamente, mas quando você não sabe quem você é, qualquer coisa serve… – comentou Alexa. – Se você não sabe quem você é, quais seus princípios e do que gosta de verdade, vai acabar caindo na mão de qualquer grupo de pessoas.

– Diz isso como se tivesse acontecido com você… – comentou Isabella.

Alexa limitou-se a pegar um copo de água e tragá-lo.

– E um grupo influencia suas características, até mesmo seus pais influenciam – continuou Tiago.

– O que seus pais tem a ver com isso também? – perguntou Isabella.

– Eu não sabia se devia ter escolhido aquela faculdade – Tiago contou.

Isabella ficou boquiaberta.

– Mas você ama o que faz…

– Mas demorei pra perceber isso.

O telefone de Alexa começou a tocar. Era o mesmo número de antes.

Todos pausaram para tentar ouvir a chamada. O Sushi Bar tocava músicas dos anos 80 em bom tom. Alexa aumentou o volume da chamada e tentou ouvir com calma.

– Então não preciso ir pela parte da manhã? Sem problemas! Muito obrigada! – respondeu Alexa feliz da vida.

– Mudança de planos? – perguntou Tiago.

– Mudança de planos – Alexa sorriu aliviada.

– Excelente – Ricardo comemorou. – Pode trazer mais um, Gaspar!

– Agora Tiago pode continuar sua história sem preocupação, temos um tempinho a mais – comentou Alexa.

– Ei! Traidora! – reclamou Tiago.

Tiago olhou para Isabella e meneou a cabeça.

– Vou tentar resumir tudo pra você.

Tiago começou a falar que ele fazia de tudo para agradar as pessoas ao redor dele, que se misturava com pessoas estranhas tentando achar a sua identidade, mas só conseguia se sentir à vontade com aqueles amigos virtuais, e apenas às vezes. Ele queria mesmo um grupo de amigos em quem pudesse confiar e trocar ideias, poder desabafar nos momentos ruins e comentar sobre seus sonhos. Era seu desejo encontrar aceitação nas outras pessoas. E como não era fácil encontrar, adotou uma postura de arrogância e egocentrismo, achando sempre que seria o mais inteligente nos estudos e o melhor nos jogos, até que o professor de Pi o humilhou e Ricardo o derrotou no Poker.

– Você decidiu cursar Engenharia só pra agradar seus pais? – perguntou Isabella.

– Não, foi a única coisa que eu sabia que eu queria fazer.

– Então, por que estava insatisfeito?

– Por que meus pais queriam que eu fosse médico – Tiago respondeu.

– Eita!

– Sim, mas eu queria ser Engenheiro ou algo do tipo, queria um lugar onde pudesse exercer minha criatividade com o computador, com máquinas, aplicativos ou invenções. Meu sonho era criar jogos de videogame ou computador.

– Então, seus pais não curtiram muito essa ideia.

– Eles achavam que alguém como eu seria mais útil ao mundo e ao meu próprio bolso se eu fosse médico – Tiago esfregou o polegar no indicador. – E por isso eu acabei me revoltando nos primeiros meses. Por isso faltava aulas e não estudava. Eu ouvi muita coisa ruim, muita coisa que me desaprovava – então Tiago olhou para Ricardo. – Aí o Ricardo me falou aquilo.

– De nada – comentou Ricardo.

– Mas a princípio eu odiava ele.

– O quê? –  Ricardo reclamou.

– Ele vivia ganhando de mim nos torneios, a única coisa que eu achava ser bom! – Tiago reclamou.

– Hum! Interessante… – comentou Alexa.

– O quê? – perguntou Tiago.

– Eu jurava que você era sempre a pessoa mais racional de todas deste grupo, mas também teve seus problemas, não me lembrava disso – Alexa coçava a cabeça imaginando um Tiago antes de conhecê-la.

– Aconteceu alguma coisa a mais que te fez perceber que isso era besteira? – perguntou Isabella.

– Como você sabe que eu aprendi a lição ali?

– Ah, é cliché, alguma coisa sempre acontece quando a situação chega a um extremo – replicou Isabella.

Tiago ficou pensando naquele primeiro período. Em como queria ser aceito pelos amigos, como queria ser aceito pelos pais, como queria ser aceito pelos professores e como ele mesmo não aceitava a si mesmo.

– Eu reprovei quase todas as matérias do primeiro semestre letivo.

– Uau… – Isabella ficou estupefata. – Caramba! – então ela acenou para o garçom. – Por favor, traz o Tempestade Exótica de Morangos…

– Você não pode beber… – Alexa comentou imperiosa.

– Sem álcool, por favor – Isabella riu sem jeito.

– Então, você reprovou quase tudo…

– Ele só não reprovou Dominó I – Ricardo comentou rindo. Tiago lançou um olhar terrível em direção a ele.

– Então você reprovou todas as disciplinas? – perguntou Isabella.

– Sim… Foi aí que percebi a merda que estava fazendo. Eu estava falhando na única coisa em que eu tinha escolhido pra mim na vida. Achava que precisava do apoio de todo mundo pra seguir em frente, mas eu mesmo não estava apoiando meu próprio sonho, minhas ambições. Eu fracassei.

– Caramba.

– E foi aí que eu percebi que precisava melhorar, que tinha defeitos pra resolver e prioridades a definir – Tiago concluiu.

O garçom chegou com a bebida de Isabella. Alexa puxou a bebida dela e deu um trago. Ela sentiu na hora o gosto do álcool.

– Gaspar, esse aqui veio errado! Não vou pagar por esse viu…

Gaspar pediu desculpas do outro lado do balcão e apontou para um placa na parede que dizia que algumas bebidas tinham desconto se pedidas iguais, com ou sem álcool.

– Ok! Pode mandar o sem álcool pra Isabella.

– Você é um porre – reclamou Isabella.

Tiago ficou rindo da cena e se lembrando daquele ano cruel de 2010. Ele sabia que ainda tinha muito pra contar para Isabella, mas decidiu que aquilo bastava. Um ano depois, estaria conhecendo pessoalmente Alexa e ganhando amigos que o acompanhariam pelos anos seguintes.

Depois de passar mais uma hora conversando sobre trivialidades, os amigos decidiram se despedir. Isabella morava perto de Alexa, então Ricardo e Tiago pediram um táxi para elas e seguiram caminho, cada qual para sua casa.

Alexa e Isabella chegaram em frente ao condomínio de Alexa. Isabella morava no prédio ao lado.

– Eu não sabia que você tinha cursado um ano de Enfermagem – falou Isabella.

– É que eu não gosto muito de falar daquele ano – Alexa olhou pro céu nublado da noite, estava rosa –, eu me sentia uma perdedora, não por causa do curso mas porque eu não sabia o que eu queria de verdade pra minha vida.

– Mas você queria ser médica.

– Mas eu não acreditava ser capaz de passar no vestibular, eu me achava tão burra. Sabe, Bella, às vezes a gente acredita mesmo que alcançou nossos limites. Cheguei a pensar que era o jeito voltar pra faculdade e terminar aquele curso, mas uma pessoa insistia em acreditar em mim.

– Seu pai?

– Tiago – respondeu Alexa.

– Eita!

– “Você é capaz, não desiste ainda”! Era o que ele dizia toda vez que me encontrava na casa do nosso amigo Geraldo.

Isabella olhou para o táxi indo embora e imaginou Tiago falando aquelas coisas para Alexa, e lembrando do quanto Ricardo havia ajudado ambos em momentos difíceis de suas vidas. Por um momento, Isabella sorriu e corou.

– Aquele ano pode ter sido um dos piores da minha vida e da vida dele, mas a vida sempre teve uma surpresa pra gente. A vida sempre tem uma boa surpresa para cada um.

O telefone de Alexa tocou.

– É o lembrete de que está na hora de dormir – Alexa comentou.

– Você tem um lembrete…

– É porque se não eu me distraio lendo e não durmo – Alexa respondeu rindo sem jeito antes que Isabella continuasse.

– Bem, então me conta outro dia o que de tão especial aconteceu no ano seguinte, doutora.

– Não começa – Alexa cerrou os olhos e a encarou.

Isabella deu um sorriso simples, mas sincero, ela sentia-se a pessoa mais sortuda do mundo por ter conhecido Alexa e Tiago – e até Ricardo.

– Boa noite, Alexa! Espero que tenha um bom plantão amanhã. Uma bom dia pra salvar vidas, e aquela coisa e tal – Isabella deu um abraço bem apertado em Alexa. – Obrigado por ser minha médica favorita e minha amiga que estraga meus porres.

– Sua idiota… – despediu-se Alexa apertando aquele abraço.

 

___________________________________________________________________________________________

woman writing on a notebook beside teacup and tablet computer

A Vida de Alexa e Tiago

Até a pessoa mais racional tem problemas

Capítulo anterior: Aprenda com suas derrotas

Toda semana um novo capítulo!

 

two man and woman wooden couple keychains hanging on rope overlooking bokeh lights

 

Acesse aqui a lista completa de capítulos:

A Vida de Alexa e Tiago

Fatos de Alexa e Tiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: