A garota que sonhava em ser médica

O despertador tocava às cinco da manhã. Com sono, uma garota se levantava para tomar seu banho, engolir seu café da manhã e seguir de carona com seu pai para o cursinho.

As manhãs frias a deixavam sonolenta, então cochilava sempre um pouco mais no caminho para o cursinho. O pai a deixava bem na frente do prédio do cursinho que chamavam de Evolução. Ali, Alexa passava suas horas estudando e assistindo aulas com vários professores, inclusive um perneta sabichão que dançava e cantava durante a aula de Biologia – e o mais impressionante era que mesmo que os alunos não guardassem a letra da música improvisada, eles aprendiam o assunto e decoravam os processos com mais eficácia que o resto das aulas.

Uma pausa para o almoço.

Durante o intervalo, Alexa almoçava uma marmita que sua mãe preparava ou comia num restaurante próximo ao cursinho, era o pouco de dinheiro a que tinha acesso durante aquela época.

Voltava para a sala exatamente às 13 horas. Seguia assistindo aulas e resolvendo exercícios até às 17 horas, que era quando seu pai a buscava para voltar para casa.

Uma pausa para a janta e mais uma hora resolvendo questões de matérias com cálculos e uma hora lendo aleatoriedades. Raramente Alexa lia um livro ou outro que não fosse indicado para o vestibular.

Em 2010, Alexa estava completamente irritada consigo mesma, pois agora o tal do Exame Nacional do Ensino Médio, ENEM, era o determinante de aprovação para a Universidade. Ela sabia que as suas chances de passar eram as mesmas de sempre, mas que a concorrência seria ainda mais ampla.

Quando se lembrava dos concorrentes, saía da cama e voltava a estudar, indo dormir tarde da noite e repetindo sua rotina no outro dia, tentando compensar o sono não usado com as sonecas no carro.

As suas pausas e descansos ocorriam nos sábados à noite, quando saía para ver alguns amigos antigos e saía com seus pais. No domingo costumava ir à igreja e visitar familiares, então a semana voltava a ser como era.

Ninguém lhe dizia para desistir, quase ninguém lhe dizia que era impossível, mas Alexa tinha o grande problema dos sonhadores.

– Sonhos não viram realidade, eles são apenas isso mesmo, sonhos – Alexa dizia quando estava cansada e não suportava mais a cobrança que fazia a si mesma.

– Por que acha isso? – Tiago perguntou.

– Minha tia diz que eu devia voltar a fazer Enfermagem, que eu não tenho futuro como médica, mas ela não disse pra desistir, só acha impossível.

– O que sua tia faz da vida mesmo?

– Ela é… – Alexa ficou por um momento sem lembrar do que a tia fazia para ganhar a vida. – Eu nem sei como ela junta dinheiro, acho que é tudo do marido.

– Então, dane-se ela! – Tiago estalou os dedos. – Que ela se exploda.

Alexa riu, mas estava com os olhos cheios de lágrimas.

– Você é capaz, não desiste ainda.

E Alexa insistiu.

Sempre que o cansaço e o desânimo a abatiam, Tiago e Ricardo apareciam com alguma ideia nova para animá-la. Eles jamais desacreditaram nela.

Num dia em que ela estava uma pilha de nervos, uma ideia surgiu.

– Ora, essa, a gente precisa desestressar um pouco hoje então – comentou Ricardo. – Não vamos para a casa do Geraldo hoje não.

– Para onde vamos então? – perguntou Tiago. – Eu tinha prometido para Bia que ia encontrar com ela lá.

– Essa garota não vai dar certo com você – Ricardo sentenciou.

– Como você sabe?

– Eu nem sabia que você tava interessado nela – comentou Alexa.

– Nem eu – comentou Ricardo. – Foi só um palpite e ele se entregou feio.

– Quê? – comentou Tiago. – Droga.

– Vai por mim, aquela menina é muito sonsa pra você – Ricardo insistiu, mas Tiago não acreditava nas sentenças de Ricardo até quebrar a cara.

– Para onde vamos, então? – perguntou Alexa. – Eu não posso voltar muito tarde.

– Seu pai não deixa? – perguntou Ricardo.

– Não, é que eu preciso voltar a estudar e sua mãe não ia curtir a ideia de você sendo má influência pra mim, né? – Alexa respondeu.

– Minha mãe não precisa saber de certas coisas – Ricardo falou.

– Parabéns, dona Gabriela, você tem um filho que está se tornando rebelde – disse Alexa.

– Ela disse que eu devia me conhecer.

– Aposto que não envolvia fugir com os amigos depois de dizer a ela que ia visitar uns amigos.

– Nós vamos visitar um amigo…

– Sério? – perguntou Tiago. – Quem?

– Você é ingênuo mesmo, às vezes, né, Tiago? Óbvio que não tem amigo algum… – Alexa falava enquanto Ricardo abria o carro.

– Claro que tem amigo! – Ricardo interrompeu. – E adivinhem só! Ele comprou um bar!

– Quê?

– Vamos na inauguração hoje.

– Mas que tipo de lugar idiota é esse? – questionou Tiago.

– Eu não acho que a ideia seja muito boa, Ricardo.

– Acha que vai pro inferno, Alexa?

– Não me irrite, Ricardo. Já estou uma pilha de nervos pra ouvir alguém falando merda pra mim! – Alexa apontou o dedo para Ricardo.

– Ela realmente está irritada – comentou Tiago assustado com a reação de Alexa. – Acho que devíamos ir pro Geraldo…

– Você não vai ver aquela sonsa hoje – Ricardo bradou. – Gente, qual é!? Não vamos fazer nada demais.

Tiago e Alexa se entreolharam.

– Se não gostarem do lugar, nunca mais pisamos nele – Ricardo implorou.

– Tudo bem – comentou Alexa. – Mas é bom que seja ótimo.

Cerca de vinte minutos se passaram até eles chegarem ao seu destino.

– Eu amei a decoração! – comentou Alexa. – Ah! – ela deu um gritinho de alegria, estava eufórica. – Por que não disse que era um restaurante de sushi?

– Por que não é um restaurante, é um bar! – replicou Ricardo.

– Um bar com sushi? – perguntou Tiago.

– Um Sushi Bar! Não é genial?

– Eu amei! – respondeu Alexa.

Um homem alto e um tanto gordo saiu de trás do balcão.

– Ricardo!

– Gaspar!

Foi ali que Alexa e Tiago conheceram Gaspar.

Gaspar fez um cumprimento de mãos com Ricardo.

– Esse cara conhece todo mundo? – perguntou Alexa para Tiago.

– Eu sempre me faço essa pergunta – cochichou Tiago de volta.

– Trouxe meus amigos, Gaspar. – Ricardo os apresentou. – Tiago e Alexa são dois bobões mas muito legais.

– Como é, Ricardo? – Alexa o encarou friamente.

Gaspar não conteve a risada.

– Eu já gostei da Alexa, que garota forte.

Alexa ficou sem jeito com o elogio.

– Eles fazem Engenharia também?

– Não, só o Tiago.

– E você, Alexa? – perguntou Gaspar.

– Eu vou ser médica, Gaspar! – respondeu Alexa entusiasmada.

– Ah, gostei! Vou precisar de alguém pra cuidar de mim quando for velho. Esse buchinho aqui não tem jeito.

Alexa começou a rir. Gaspar tinha jeito de trapalhão, mas era bastante simpático. Era um cara bem humorado e que atraiu aos poucos sua clientela servindo-os sempre muito bem. Seu negócio anterior consistia em trabalhar para uma cozinha numa empresa, mas Gaspar quis abrir seu próprio negócio. Aquela noite de 2011 era a inauguração do Gaspar Sushi Bar e o dia em que os três amigos decidiram que se reuniriam ali sempre que possível.

Gaspar sugeriu que se sentassem em uma mesa e voltou para a cozinha. O local estava meio cheio, mas os garçons trabalhavam a todo vapor e eventualmente o próprio Gaspar saía para cumprimentar os clientes.

– De onde você o conhece? – perguntou Alexa.

– Ele acompanhava uma pessoa ao consultório da minha mãe eventualmente e sempre puxava conversa quando eu estava lendo alguma história em quadrinhos – respondeu Ricardo. – Ele é fã dos Guardiões da Galáxia.

– Nunca imaginei que seus quadrinhos fossem lhe dar outros amigos.

– Tenho vários por causa deles. E eles não são absurdamente nerds como vocês devem ter imaginado – retrucou Ricardo. – Quadrinhos e mangás ainda vão influenciar gerações inteiras, prevejo cinemas lotados algum dia assistindo Os Vingadores.

Ricardo ficou muito feliz um ano seguinte na estreia do filme da Marvel e com as suas sequências batendo recordes de bilheteria.

– O Gaspar é muito gente boa.

Os amigos ficaram conversando e admirando as mesas ao redor para ver o movimento, as garotas e garotos, o tipo de pessoas que gostavam de beber ou só comer. Divertiram-se trocando ideias e ouvindo histórias da faculdade e até mesmo falando sobre a suposta amiga sonsa de Tiago.

Alexa estava relaxada, mas a hora já a preocupava.

– Preciso ir, gente.

– Tudo bem! – Ricardo respondeu. – E então, gostaram daqui?

– Com certeza – respondeu Tiago.

Gaspar se aproximou da mesa e entregou um papel num envelope para cada um deles. Ele agradeceu pela visita imensamente e pediu que cada um abrisse o envelope.

– Minha nossa! Um cartão fidelidade! – exclamou Tiago. – 25 por cento de desconto vitalício. Isso é sério?

Gaspar acenou com a cabeça.

– Convidei muitas pessoas hoje, mas não veio nem a metade, e foi uma real surpresa ver o Ricardo por aqui – Gaspar explicou. – Além do mais, vocês animam o ambiente e passam uma energia boa, por isso fica minha gratidão nesse cupom para vocês. E para você, Alexa… – Gaspar tirou um último envelope do bolso e o entregou a Alexa.

Alexa pegou o envelope sem jeito mas com curiosidade e o abriu. Uma música com piano e guitarra começou a tocar no Sushi Bar. Alexa tirou um papel cartão de dentro com uma ilustração de um samurai e alguns kanjis.

– O que quer dizer? – ela perguntou.

– Quer dizer: “jamais desista da sua luta, boa sorte”!

Os olhos de Alexa marejaram e se encheram de lágrimas.

– Obrigada, Gaspar – respondeu dando um abraço nele.

Alexa jamais deixaria de lembrar daquela noite e do gesto de Gaspar.

O que Alexa jamais imaginou é que aquela mesma memória ressurgiria em seus pensamentos tão intensamente e vívida quando Gaspar realmente precisava dela.

– Gaspar! Gaspar! – Alexa gritava enquanto começava a fazer a massagem cardíaca. – Pessoal, peguem um acesso e adrenalina, uma ampola agora! Alguém no relógio contando o tempo das compressões cardíacas e alguém pegue o desfibrilador! Temos uma parada cardíaca aqui!

 Quando Gaspar deu entrada na emergência do hospital, Alexa lembrou de tudo isso, vividamente, enquanto o seu coração acelerava a mil tentando salvar o coração e a vida de seu amigo.

___________________________________________________________________________________________

blur close up focus gadget

A Vida de Alexa e Tiago

A garota que sonhava em ser médica

Capítulo anterior: Até a pessoa mais racional tem problemas

Toda semana um novo capítulo!

two man and woman wooden couple keychains hanging on rope overlooking bokeh lights

 

Acesse aqui a lista completa de capítulos:

A Vida de Alexa e Tiago

Fatos de Alexa e Tiago

 

 

NA PRÓXIMA SEMANA, A CONTINUAÇÃO DO ARCO “A GAROTA QUE VIROU MÉDICA”

PRÓXIMO CAPÍTULO: A GAROTA QUE INSISTIU NO SEU SONHO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: