As preces de uma garota

– Isabella? Como você veio parar aqui? E por que está com o Tiago? – por um momento, Alexa enxugou as lágrimas e considerou uma possibilidade. – Esse era o seu amigo do encontro?

– Não exatamente! – Isabella falou desconcertada.

– Vocês dois estão saindo juntos?

– Eu queria conversar com ela – Tiago explicou.

Alexa encarou os dois com um pouco de ciúme.

– Mais tarde eu te conto melhor minhas intenções com sua, ou devo dizer, nossa amiga… – Tiago completou. – Como está o Gaspar?

– Mal… O estado dele é bem grave – Alexa respondeu lembrando-se da situação. – A irmã dele está lá dentro.

– Ricardo já sabe? – Tiago perguntou.

– Enviei uma mensagem mais cedo, mas ele ainda não respondeu… A bateria do meu celular acabou.

– Ele vai ficar bem abalado quando descobrir…

– Não sei se estou preparada para a reação dele…

A mensagem chegou no celular de Ricardo no final da tarde, mas ele estava ocupado em um de seus projetos. Ele evitava o celular nesses momentos para fugir de quaisquer distrações. Naquele dia, alguns imprevistos por causa da chuva atrasaram seu trabalho, e ele precisou trabalhar até o início da noite.

Quando Ricardo viu a mensagem de Alexa, ele tentou desesperadamente ligar para ela. Não conseguiu. O celular dela estava desligado. Ele começou a dar voltas ao redor da mesa e então decidiu ligar para sua mãe.

O telefone tocou mas ninguém atendeu.

Ele decidiu trocar de roupa e pegou as chaves do carro. Enquanto dirigia, o telefone tocou. Sua mãe estava na linha.

– Oi, mãe… – falou Ricardo um pouco consternado. – Acho que Marília vai precisar de você hoje e eu também…

Marília era a irmã de Gaspar, ela estava na recepção do hospital esperando notícias sobre o seu irmão. Ela não sabia o que fazer, sentia-se incapaz de ajudar, implorava para que o Universo lhe desse um sinal ou algo do tipo, uma força capaz de suportar aquela dor e se possível até resolver o problema do seu irmão. Infelizmente não houve sinal algum naquele primeiro momento.

Mas a vida tem suas surpresas.

Tiago, Alexa e Isabella entraram no hospital e encontraram Marília. Alexa os apresentou.

– Esta é a irmã de Gaspar.

– Meu nome é Tiago – ele disse se apresentando e dando um abraço nela.

– Marília – ela respondeu.

Isabella a encarou por um breve momento e se resumiu a estender sua mão a ela.

– Eu sinto muito… – Isabella falou.

Tiago estranhou aquela atitude, mas percebeu algo que Alexa ainda não tinha percebido ao ver a mão estendida para Isabella.

– Obrigado por estarem aqui… É muito importante pra mim, pro Gaspar… – a voz de Marília embargou e ela começou a chorar.

Alexa se aproximou dela e a encaminhou para um assento.

– Vou buscar um pouco de água pra você, fique tranquila, tá bem? – Alexa a deixou no banco e foi atrás de água.

Isabella e Tiago ficaram onde estavam e ficaram olhando Marília de longe.

– Você viu também, não foi? – perguntou Tiago.

– Foi a primeira coisa que vi – respondeu Isabella. – Eu apenas quis ter certeza do que tinha visto. Os pulsos dela…

– Que cicatrizes extensas – completou Tiago.

– Essa mulher é cheia de dor – Isabella olhou para Tiago. – Que dó dela. O que será que vai acontecer se Gaspar não melhorar?

– Ei – Tiago aumentou o tom de voz levemente. – Ele vai melhorar. Vai ficar tudo bem…

– Como pode ter tanta certeza? – Isabella questionou. – Você viu como Alexa estava abalada! Eu nunca tinha visto ela daquele jeito.

– Eu já… – respondeu Tiago. – E sei que apesar disso, ela não vai desistir dele.

– Mas ela já fez tudo o que era possível pelo que ela contou pra gente.

– Então nos resta acreditar no impossível…

A porta da recepção do hospital se abriu naquele momento e Ricardo entrou acompanhado de uma mulher não muito alta, com os cabelos curtos escuros e luzes prateadas, simples e de aparência acolhedora. Sua mãe Gabriela estava um pouco mais velha desde a última vez que Alexa a havia visto, mas ela ainda emitia uma energia serena e jovial a quem se aproximava dela. Ambos entraram procurando por algum conhecido e Ricardo pegou o celular naquele instante para ligar para alguém, mas Tiago o avistou antes daquilo e o chamou. Ambos se abraçaram.

– Onde ela tá?

– Foi buscar um pouco de água para a irmã… – Tiago respondeu.

– Ricardo… – disse Alexa se aproximando deles antes mesmo que a percebessem chegando.

Ricardo viu Alexa com os olhos vermelhos e não conteve uma lágrima. Ele se aproximou dela e a abraçou.

– Como que ele tá?

– Não sei se ele vai sobreviver… – Alexa cochichou enquanto chorava.

– E a irmã dele? – Ricardo questionou.

– Ali – Alexa apontou para onde ela estava sentada e viu Gabriela se sentando ao lado dela, sem abraçá-la. – Sua mãe veio…

Tiago e Isabella se aproximaram de Ricardo e Alexa.

– Eu não podia contar antes devido ao sigilo profissional da minha mãe, mas não vejo mais porque não dizer… – Ricardo começou. – Marília é a causa de eu conhecer Gaspar. Uma vez comentei com vocês que o conheci no consultório.

– Sim, eu lembro – Alexa comentou.

– Era a irmã que ele levava para as consultas. Uma dor que nosso amigo Gaspar escondeu sempre para não passar a sensação de fraqueza para uma das pessoas que ele mais ama neste mundo, a dor de ver alguém importante pra você sofrendo pela depressão.

– Ela já havia tentado se matar antes? – perguntou Isabella.

– Já… Foi por isso que eles começaram a psicoterapia.

– E o tratamento deu certo?

– Sim, deu… Mas minha mãe sempre temeu por um momento como este.

– Por quê? – Alexa perguntou.

– Porque Marília acabou vendo Gaspar como seu porto seguro – Ricardo tentou explicar. – Desde que ela perdeu seu único filho, Gaspar se tornou a pessoa mais importante para ela.

– Ela não tem mais ninguém? – Tiago perguntou.

Ricardo apenas balançou a cabeça.

– Essa não…

Alexa sentiu o peso de seu primeiro atendimento e da responsabilidade que tinha estado em suas mãos.

Quando uma pessoa cai nas mãos de um profissional de saúde, há toda uma vida por trás daquele momento, um conjunto de lembranças e experiências, laços e amizades formadas por todo o seu tempo de vida, ainda que seja um tempo curto.

Gabriela lidava com aqueles pesos sempre que alguém ia até o seu consultório. Por mais que fosse uma exímia profissional, sentia as dores daqueles que sentavam no seu divã. Ela tentava sempre sair leve do consultório, por isso lia bastante e eventualmente meditava. Naquele momento, no hospital, Gabriela Alves não estava como psicóloga, mas como mãe do amigo de Gaspar, alguém que estava ali para dar um consolo, ainda que pequeno, para aquela pessoa.

As horas foram se passando. Alexa entrava e saía pela porta da recepção para dar notícias e ver como estava seu amigo.

– Ele realizou um cateterismo de urgência – ela tentava explicar de forma mais simples possível. – As artérias do coração estavam muito entupidas, o estrago foi grande, mas eles conseguiram desobstruir algumas delas o quanto puderam.

– Ele vai ficar bem? – perguntou Marília.

– O que não sabemos ainda é o quanto o coração ficou danificado e o quanto a parada cardíaca pode ter afetado o cérebro com a falta de oxigênio.

Marília abaixou a cabeça por um momento e respirou fundo. Todos ficaram olhando para ela esperando alguma reação. Ela sentou-se na cadeira e olhou para cada um dos que estavam com ela, então perguntou:

– Ainda existe esperança…?

Todos ficaram num silêncio profundo. Até que Ricardo falou:

– “Nós fazemos o que está ao nosso alcance e deixamos o impossível nas mãos de Deus”, foi o que disse uma pessoa pra mim uma vez – ele olhou para Alexa e deu um sorriso de canto de boca. – Você sabe que eu sou o mais cético no grupo, mas se existe um momento no qual eu quero acreditar que o que você diz é verdade, esse momento é agora… Sei que seu Deus não é uma fórmula, um gênio dos desejos que concede três pedidos, que pra você Ele tem pensamentos que não podemos entender, mas sei que você é a pessoa que mais tem fé neste grupo… – a voz de Ricardo embargou.

– Ricardo… – Alexa começou a chorar.

– Por favor, Alexa, se ainda existe algo que você possa fazer… – Ricardo deixou uma lágrima escorrer.

– Se eu tivesse me formado antes, se eu tivesse mais experiência…Eu não sei se tem algo… – Alexa falava quando Tiago segurou no ombro dela e a interrompeu.

– Lembra do dia do resultado do vestibular? – ele perguntou.

Alexa lembrava. Ela não tinha como esquecer aquele dia no início de 2011.

Ela abriu a lista pelo computador e não quis perder tempo, ela clicou diretamente no botão de pesquisar palavras na página e digitou seu nome completo.

A pesquisa não encontrou resultados.

O nome de Alexa não estava ali. Seu coração parou por um breve segundo, não conseguia acreditar naquela situação, tinha certeza de que havia ido bem, não era possível aquele resultado estar certo.

De repente a página deu erro e o computador reiniciou.

Sua incredulidade quanto ao resultado a desesperou enquanto o computador reiniciava o sistema. Ela teria que reconectar ele à internet para poder abrir a lista e ler nome por nome.

“Deve ter algum erro”.

Seus olhos se encheram de lágrimas, mas não as deixou derramar.

Enquanto o computador tentava reiniciar, Alexa sentiu o celular vibrar no seu bolso. Com os olhos marejados e sem ver quem a chamava, ela decidiu atender a chamada.

Aqueles que insistem nos seus sonhos podem colher seus frutos sempre que plantarem as sementes da persistência e do trabalho, mas não é uma regra, às vezes não obtemos os resultados que esperamos, fracassamos e caímos pelo meio do caminho. Porém, é quando menos esperamos que as coisas podem tomar um rumo totalmente diferente.

– Eu disse que você era capaz, Alexa – falou a voz no outro lado da linha. – Parabéns, Alexa!

– Tiago? Como… Como assim?

– Como assim o quê? – respondeu Tiago.

– Meu nome…

O computador ligou e Alexa abriu o site. Ela percebeu que a página não havia carregado totalmente e que estava travando por conta do navegador. Ela abriu em outro e esperou ansiosamente a página carregar e então procurou seu nome.

No hospital, Tiago continuou falando resgatando Alexa de suas memórias.

– O resultado estava ali na sua frente o tempo todo, era apenas você que não o viu… – Tiago falou. – Mas seu nome estava ali!

– Mas devia estar um ano antes, pelo menos… – Alexa retrucou.

– Sabe, se você pensa que aquele ano foi um atraso, você está totalmente enganada… – Tiago continuou. – Você está exatamente onde deveria estar, no seu tempo, no tempo certo.

– Mas eu não pude fazer nada demais… – Alexa começou a chorar copiosamente.

– Ei, é você que é a otimista aqui, eu que sou o mais racional, esqueceu? E eu tô te falando, vai dar certo! – Tiago a abraçou por um momento e então a encarou nos olhos. – Talvez o resultado já esteja aí e seja melhor do que você imagina, só não está enxergando…

– Mas o que posso fazer? – ela perguntou.

Gabriela se aproximou de Alexa e então disse:

– Às vezes, o impossível está a apenas uma prece de distância.

Alexa enxugou suas lágrimas e olhou para aquela que já a havia ajudado tanto no passado. Por um momento, ela percebeu que estava onde estava graças a cada um daqueles que estavam ali. Ao ouvir as palavras de Gabriela, Alexa lembrou-se de um dos conselhos que Gabriela a deu depois da dica de ouro de Ricardo.

– Marília… A esperança sempre ousa acreditar no impossível – Alexa disse. – Eu já volto – então saiu da recepção e foi até o CTI.

Alexa seguiu pelo corredor lembrando cada passo que tinha dado até ali, as histórias de faculdade, os amigos que tinha ganhado, os pacientes que marcaram sua formação e as ambições que tinha como médica.

– Eu posso fazer ainda mais! Eu ainda vou me tornar uma cirurgiã e estar mais preparada – falou a si mesma enquanto chegava às portas do CTI.

Alexa entrou no centro de terapia intensiva e viu Gaspar respirando com a ajuda de aparelhos. Ela se aproximou do leito e ficou ali do seu lado por horas, às vezes de olhos fechados, pedindo a Deus que cuidasse do seu amigo, que o que tivesse que acontecer ela entenderia, mas pedia que seus amigos entendessem, que a irmã de Gaspar entendesse.

Antes que ela terminasse e percebesse o dia raiando, as preces de Alexa foram ouvidas.

– Gaspar? – ela balbuciou.

Os olhos de Gaspar estavam abrindo lentamente.

– Você tá me ouvindo?

Gaspar piscou lentamente ambos os olhos.

– Gaspar! – Alexa não conteve a emoção e o abraçou.

Reze, ore, faça uma prece se preciso, mas não silencie sua fé.

___________________________________________________________________________________________

silhouette of girl during evening

A Vida de Alexa e Tiago

As preces de uma garota

Capítulo anterior: A garota que insistiu no seu sonho 

Toda semana um novo capítulo!

 

 

two man and woman wooden couple keychains hanging on rope overlooking bokeh lights

 

Acesse aqui a lista completa de capítulos:

A Vida de Alexa e Tiago

Fatos de Alexa e Tiago

1 resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Anúncios
Follow Escrito Por André Basualto on WordPress.com
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: